sábado, 25 de março de 2017

Falafel com molho de iogurte e salada de couve ... para um almoço árabe


O desafio deste mês do grupo "Cantinho das cozinheiras" era fazer uma receita do blog "As receitas da mãe galinha" e quando resolvi cuscar as deliciosas receitas que lá existem, ao ver estes bolinhos fiquei logo decidida com qual pratinho iria participar.
Como sabem, adoro conhecer novos sabores e quando se trata de aromas árabes, o meu conhecimento ainda é muito pequeno e como andava de olho nos falafel, vi aqui a oportunidade de os experimentar.

Para quem não sabe, os falafel são uns bolinhos de grão de bico, especiarias e ervas aromáticas, geralmente feitos com o grão crú demolhado e posteriormente fritos. São provenientes do Médio Oriente mas a sua origem tem sido motivo de discórdia entre vários países, havendo pessoas que defendem a origem como sendo do Líbano, mas outros dizem ser da Síria, Palestina, Egipto, Israel ... Discórdias à parte, estes bolinhos têm um sabor único e muito agradável, sendo actualmente considerado por muitos o hambúrguer vegetariano. É geralmente consumido com pão pita e hummus embora eu tenha optado por molho de iogurte e uma salada de couve, acompanhamento perfeito diria eu. Quanto à forma, em vez dos redondinhos optei por lhes dar uma forma mais achatada já que a massa estava um pouco mole e eu sem paciência para moldar :)

E como neste prato o limão entra em todos os componentes, aproveito para levar mais este prato para a mesa de março da Marta, do blog Intrusa na cozinha, cujo ingrediente é ... LIMÃO







Ingredientes para o falafel:
- 300g de grão de bico cozido (lavado e bem escorrido)
- 1 cebola pequena
- 2 dentes de alho
- sumo de limão 
- salsa fresca picada
- cebolinho fresco picado
- cominhos, sal e pimenta qb
- farinha de trigo (cerca de 3 colheres de sopa)

Ingredientes para o molho de iogurte:
- 250g de iogurte grego natural
- sumo de 1/2 limão
- 2 dentes de alho picados finamente
- sal e pimenta qb
- hortelã e salsa fresca picada qb

Ingredientes para a salada:
- couve coração em juliana fina
- cenoura raspada (no ralador grosso)
- metade do molho de iogurte para temperar


Para o molho de iogurte, envolva todos os ingredientes e guarde no frigorífico até há hora de servir.

Para a salada de couve, misture a couve com a cenoura e tempere com o molho de iogurte, envolvendo bem.

Para os falafel, coloque todos os ingredientes num robot de cozinha (excepto a farinha) e triture bem até obter uma pasta (eu usei a Yammi e triturei durante 45segundos, da velocidade 4 a 6).
Junte a farinha para dar mais consistência e envolva bem. Leve ao frio cerca de 1 hora para ganhar mais consistência. Molde pequenos hamburgueres e leve a fritar numa frigideira untada com azeite até dourar de ambos os lados. Coloque-os sobre uma folha de papel absorvente para retirar o excesso de gordura que possa ter.
Sirva com a salada de couve e o molho de iogurte, acompanhando com água temperada com sumo de limão, folhas de hortelã e cubos de gelo. 

este foi o meu prato, bem composto ...
 


sexta-feira, 24 de março de 2017

Bolo de chocolate com pimenta rosa


Adoro doces e disso todos sabem. E bolos são mesmo os que mais gosto talvez pela sua versatilidade e pela facilidade e rapidez com que se fazem. Por isso, todas as semanas sai mais um desta cozinha, umas vezes a receita de sempre, outras vezes algo novo. 
Lembro-me que a primeira vez que ouvi falar desta combinação foi numa telenovela brasileira "chocolate com pimenta" e desde então o bichinho ficou na cabeça. Depois provei um chocolate com esta mistura e adorei o seu sabor, o que me fez ter a certeza então do sabor especial que a pimenta deixa no chocolate. E como no domingo passado foi o Dia do Pai, resolvi então fazer este bolo de chocolate super fofo para o meu, que guloso como é, comeu sem resmungar (mas ele também gosta da combinação de sabores). E vocês, conhecem esta mistura de sabores?



Ingredientes:
- 10 claras
- 100g de farinha com fermento
- 170g de chocolate de culinária (um chocolate com qualidade, daqueles que gostam de comer)
- 100g a 120g de açúcar amarelo

Para a cobertura:
- 100g de chocolate negro
- pimenta rosa qb
- 3 colheres (sopa) de leite

Pré-aquecer o forno a 180º. Untar uma forma (de preferência de fundo amovível) com manteiga e farinha.
Derreter o chocolate no microondas durante um minuto, na potência máxima. Retirar e mexer, voltar a aquecer mais 30 segundos e mexer vigorosamente até obter um creme homogéneo. 
Bater as claras em castelo e quando estiverem firmes, juntar o açúcar amarelo aos poucos, sempre a bater até obter picos firmes. Juntar o chocolate e bater mais um pouco até ficar envolvido. Peneire a farinha e envolva delicadamente com uma espátula. Verta para a forma, alisando bem e leve ao forno durante cerca de 50 minutos ou até o teste do palito sair seco. Retire do forno, desenforme e deixe arrefecer um pouco.

Para a cobertura leve ao microondas o chocolate com o leite durante 1 minuto na potência máxima (no meu é 800W). Retire e mexa até ficar um creme brilhante e homogéneo. Verta sobre o bolo e decore com a pimenta rosa. Guarde no frigorífico até à hora de servir e sirva simples (como eu fiz) ou com gelado de baunilha.


quinta-feira, 23 de março de 2017

Feijoada rápida (aproveitamento do cozido à portuguesa)


Cozido à portuguesa é um dos pratos que estão na minha lista de pratos preferidos. Não sei bem o porquê, já que é tão simples mas o seu gosto deixa-me sempre satisfeita e por essas razão, volta e meia a minha mãe lá faz um cozido. E como em todas as casas portuguesas, este é daqueles pratos que rende tanto e sobra ainda mais. Costumo mesmo dizer que deveriam aparecer as visitas inesperadas quando se faz cozido e não arroz de marisco, porque para este temos sempre comida e mais comida nas travessas. E se depois usamos as batatas e os legumes na sopa com um pouco de carne para dar sabor, aquecemos o arroz num wok com azeite e alho e juntamos as carnes para um arroz de carnes delicioso, mesmo assim, temos sempre sobras de carne que acabam no congelador para uma utilização futura. 
E desta vez, a utilização futura transformou-se nesta feijoada que trago hoje, mais uma forma de se aproveitas aquelas carnes todas e assim conseguir mais uma refeição, económica até, e bem rápida de se confeccionar. E assim foi, 30 minutos depois de decidir o que iríamos almoçar, estava sentada na mesa a desfrutar ... e o que eu adorei esta feijoada, nem vos digo mais nada, principalmente agora que o inverno parece ter voltado depois de ter sentido o cheiro do verão ... tempo complicado este :) 

Ingredientes:
- 1 lata grande de feijão preto cozido
- 2 dentes de alho
- 1/2 cebola
- 1 folha de louro
- 1 cenoura
- restos de carnes e enchidos (do cozido à portuguesa)
- 1 fio de azeite
- 3 colheres (sopa) de polpa de tomate
- 30 ml de vinho branco
- 1 colher (de chá) cheia de colorau
- 1 colher (de café) mal cheia de cominhos
- sal e pimenta qb

Corte a carne e os enchidos em pedaços. Corte a cenoura em rodelas finas e depois em quartos, pique a cebola e o alho.
Num tacho, coloque um fio de azeite e refogue a cebola, alho, cenoura e o louro. Quando a cebola amolecer, junte a polpa de tomate, o vinho, o colorau e os cominhos. Deixe refogar cerca de 5 minutos, mexendo ocasionalmente. Acrescente as carnes, o feijão com o líquido da lata e água suficiente para cobrir ligeiramente o preparado. Tempere com sal e pimenta e deixe refogar até a cenoura cozinhar e a feijoada ficar apurada. Sirva de seguida, acompanhada com arroz branco.

Nota: esta feijoada pode ser congelada que fica igualmente saborosa e assim têm uma refeição pronta a comer para aqueles dias em que o tempo não estica ou a preguiça toma conta de nós. Para isso, basta deixar a descongelar no frigorífico durante a noite e depois aquecer no microondas ou num tacho. 


quarta-feira, 22 de março de 2017

Tarte quadriculada de maçã ... sem adição de açúcar


Já vamos a meio da semana e um doce sabe sempre bem, não acham? Mas quando falo em doce, não quer dizer que seja algo muito prejudicial, especialmente para quem já começa a pensar na praia :)
Existem receitas deliciosas e bem simples de se fazer, que todos adoram e que ninguém conseguirá ser indiferente. E esta tarte de maçã é uma dessas receitas e ainda com a vantagem de não levar açúcar (apenas adicione se for um guloso, ok). 



Receita adaptada do livro "Doze meses na cozinha", pág.71

Ingredientes da massa:
- 240g de farinha com fermento
- 100g de manteiga
- 1 pitada de sal
- 1 pitada de canela
- 3 a 5 colheres (sopa de água fria)

Ingredientes para o recheio:
- 500g de maçãs (de preferência docinhas)
- água
- canela em pó
- sumo de meio limão
- 2 colheres (de sopa) de açúcar amarelo (se forem gulosos, eu não usei)


Forre uma forma de fundo amovível com manteiga e polvilhe com farinha.
Corte as maçãs em cubos e retire os caroços (não precisa descascar). Coloque-as num tacho juntamente com o sumo de limão, a canela e água suficiente até cobrir as maçãs. Deixe cozer até ficarem bem macias. Triture com a varinha mágica até obter um creme e reserve.

Para a massa, misture todos os ingredientes até obter uma massa homogénea. Polvilhe a bancada com farinha e estique a massa até obter um círculo maior que a forma. Forre a forma e apare as laterais. Com as sobras da massa, volte a esticar e corte várias tiras. Coloque o recheio de maçã na forma e decore com as tiras de massa. Pincele a massa com leite e leve ao forno, pré-aquecido a 180º até esta estar cozida e dourada. Desenforme, polvilhe com mais um pouco de canela em pó e sirva morna ou fria, simples ou com uma bola de gelado.


terça-feira, 21 de março de 2017

Fígado de cebolada ... da mamã


Se ontem a receita foi saudável, hoje deixo uma que não o é e até pode não agradar a todos, mas que cá em casa deixa sempre os comensais bem felizes :)
Se existem receitas que gosto e faço, outras gosto mas não faço. Estas segundas são sempre feitas pela mãe, tal como este fígado que apresento aqui hoje. Eu sei que muitas pessoas não gostam das miudezas dos animais (eu incluída) mas existem alguns pratos que me deixam bastante satisfeita e fígado de cebolada é mesmo um deles, especialmente pela cebolada. Por isso, deixo aqui para que, quem como eu gostar, também o experimente já que é tão simples de se fazer (mas pouco saudável, infelizmente além de nada fotogénico).


Ingredientes:
- fígado de vitela cortado em bifes finos
- cebola em rodelas
- azeite
- vinagre
- sal e pimenta
- batatas cozidas para acompanhar

Comece por limpar as peles ao fígado (vai fazer com que se torne mais tenro). Coloque o fígado numa travessa e tempere com sal, pimenta e vinagre. Deixe repousar uns minutos.
Aqueça uma frigideira com azeite e frite o fígado até dourar levemente de ambos os lados (cuidado para não deixar secar demasiado). Retire o fígado para uma travessa e acrescente à frigideira a cebola. Tempere com sal, pimenta e mais um pouco de vinagre. Deixe fritar até dourar, mexendo de vez em quando. Verta a cebolada sobre os bifes de fígado e acompanhe com batata cozida. 


segunda-feira, 20 de março de 2017

Espetadas de peixe com couscous de hortelã


Ontem foi Dia do Pai e cá em casa tivemos bastantes gulosices, doces e salgadas. Por isso, agora vamos começar a semana com uma receita mais ligeira para amenizar um pouco a desgraça, pode ser?
Como cá em casa nem todos são adeptos do belo do peixe (eu incluída), andamos sempre a tentar dar a volta ao bicho e testar receitas que nos deixem satisfeitos e que queiramos repetir ... e estas espetadas foram uma dessas receitas, leves e deliciosas, virei fã :)
E como o limão é ingrediente essencial neste prato, levo-o para a mesa da Marta, do blog Intrusa na cozinha, cujo desafio deste mês é receitas com LIMÃO ...



Ingredientes:
- tranches de pescada
- rodelas de chouriço (usei mouro)
- pimento vermelho
- mistura de especiarias (usei uma marroquina)
- sal e pimenta
- sumo de limão

Para os couscous:
- 1 medida (mal cheia) de couscous
- 1 medida de água quente
- açafrão, colorau e sal fino
- hortelã fresca picada
- sumo de limão

Comece por preparar as espetadas. Corte cada tranche de pescada em 4 pedaços iguais. Em paus de espetada vá colocando alternadamente o peixe, pimento em cubos e rodelas de chouriço. Quando terminar, tempere generosamente com sumo de limão, a mistura de especiarias e uma pitada de sal e pimenta. Deixe marinar pelo menos 30 minutos para ganhar mais sabor. Depois leve a grelhar numa frigideira untada com azeite, rodando as espetadas até dourar de todos os lados. 

Para os couscous, aqueça a água temperada com o açafrão e o colorau (costumo usar o microondas para esta etapa). Junte depois os couscous e o sal, mexa com um garfo e tape. Deixe repousar 5 minutos e depois junte o sumo de limão e a hortelã. Envolva bem e sirva com as espetadas.

Desafio de março do blog "Intrusa na cozinha" - ingrediente do mês

sexta-feira, 17 de março de 2017

Battenberg cake ... um bolo de origem inglesa


Doces, doces, doces ... há dias em que só penso em doces ...
E este foi feito num desses dias :)

Como sabem, eu adoro desafios e o Sweet World é um dos que mais gosto porque nos dá a conhecer doces, na maioria das vezes completamente desconhecidos para mim. E nesta 14ª edição fomos desafiados a fazer um Battenberg.


O battenberg é um bolo de origem inglesa, criado em 1884 para comemorar o casamento da neta da rainha Victória, a princesa Victória com o princípe Louis de Battenberg (um símbolo de união entre a Inglaterra e a Alemanha). O bolo foi feito de forma a satisfazer o palato de ambos os países, massapão para os alemães e pão-de-ló para os ingleses.
Em termos práticos, é bem simples de se executar, basta fazer uma massa de bolo simples, dividir em duas partes e no final cortar e cobrir com massapão. Para esta receita em concreto, baseei-me na receita da Lia, apenas aumentei as quantidades para caber na forma que tinha cá em casa e mexi um pouco nas quantidades de manteiga e açúcar consoante os gostos cá de casa. O efeito final bem elegante convence qualquer um a experimentar, não acham?




Receita adaptada da Lia, do blog lemon and vanilla
Ingredientes:
- 160g de manteiga 
- 260g de farinha com fermento
- 160g de açúcar
- 5 ovos
- 60g de pistachios (já sem casca)
- 1 colher (chá) de aroma de baunilha
- 2 colheres (chá) de corante verde (o meu era líquido)
- 60ml de leite

Para finalizar:
- compota de morango (sem sementes)
- 500g massapão (usei de compra)
- açúcar em pó para polvilhar


Unte uma forma rectangular (20 x 30cm) com manteiga e forre com papel vegetal, tendo o cuidado de dividir a forma em duas partes (no sentido do comprimento) com o papel para que as 2 massas não se misturem.
Triture os pistachios até obter uma espécie de farinha.
Bata o açúcar com a manteiga até obter uma mistura mais clara e cremosa, Sempre a bater, junte os ovos, um a um. Depois acrescente a farinha e o leite. Divida a massa em duas partes iguais (pese ou use dois recipientes iguais para ter maior controlo da medida). A uma das partes acrescente o aroma de baunilha e à outra massa junte a farinha de pistachios e o corante verde. Coloque as duas misturas na forma preparada e leve a cozer no forno pré-aquecido a 180º, durante cerca de 30 minutos ou até o teste do palito sair seco. Retire o bolo da forma e deixe arrefecer por completo. 

Montagem:
Estique o massapão com o rolo numa superfície polvilhada com açúcar em pó o mais fino que conseguir, de modo a que consiga cobrir por completo o bolo. Aqueça um pouco a compota apenas para que fique mais fácil de aplicar. 
Corte cada uma das massas de bolo em duas partes (no sentido do comprimento), barre cada uma das tiras com a compota e junte-as formando um xadrez. Pincele todo o exterior do bolo e enrole-o com cuidado no massapão. Corte as laterais para acertar e decore a gosto.

14º edição do desafio Sweet World, dos blogs Lemon & Vanilla e Basta Cheio - "Battenberg cake"

quinta-feira, 16 de março de 2017

Alheira de caça com esmagada de batata e migas de couve


Charcutaria é algo que todos adoram cá em casa. E quando se tratam de alheiras, então somos mesmo fãs. E se existem muitas formas de as comer, esta é sem sombra de dúvidas a minha preferida. Muito saborosa, rápida de fazer e simples, é a minha sugestão para hoje. Experimentem e depois digam lá se não é uma delícia.

Ingredientes:
- alheira de caça (ou outra à escolha)
- batatas
- couve coração
- broa de milho
- azeite
- alho 
- sal e pimenta

Para a esmagada de batata: descasque as batatas e leve a cozer num tacho com água temperada com sal. Depois de cozidas, esmague-as com um garfo. Leve ao lume um tacho com um fio pequeno de azeite e um dente de alho esmagado até este começar a ganhar cor (cuidado para não queimar). Retire o alho e junte a batata, envolvendo muito bem para ganhar sabor. 

Para as alheiras: lave as alheiras, seque-as com um papel e coloque-as numa assadeira (não coloque nenhuma gordura). Leve a assar no forno, pré-aquecido a 200º, até dourar bem.

Para as migas de couve: corte as couve em juliana fina. Esfarele a broa até ficar uma espécie de pão-ralado grosso. Leve ao lume uma frigideira com um pouco de azeite e alho picado (seja generoso no alho). Deixe refogar um pouco para ganhar gosto e junte a couve, envolvendo bem. Quando esta estiver cozida, tempere com sal e pimenta e acrescente a broa. Envolva bem e deixe secar até ficar um preparado bem solto. Sirva de seguida com a esmagada e a alheira.

Nota final: cá em casa a alheira é sempre cozinhada no forno, fica bastante sequinha e geralmente não abre, mantendo-se intacta e bem mais bonita. Além disso, costuma largar a gordura para a assadeira, tornando-se mais saudável.





quarta-feira, 15 de março de 2017

Nova parceria no blog ... Gradirripas

Como já devem ter percebido, eu sou uma grande fã de Portugal. Embora adore conhecer o mundo e tudo o que de bom pode ter, é no nosso país que me refugio e reconforto sempre. E por isso mesmo, adoro tudo o que temos por cá e gosto sempre de dar primazia aos nossos produtos, que embora muita gente tenha a "mania" de deitar abaixo, são na sua maioria feitos com grande qualidade e reconhecidos lá fora pelo real valor que têm, deixando-me completamente orgulhosa de ser portuguesa.
Por isso mesmo, uma parceria com uma marca portuguesa é sempre algo que me deixa muito feliz e satisfeita, tal como estou agora com a Gradirripas.


 Imagem
Raúl Violante, proprietário da empresa Gradirripas (imagem retirada da net)
Para quem não conhece a marca, a Gradirripas é uma empresa familiar situada no centro do país (Santarém) com ligações ao sector há mais de dois séculos. Os actuais proprietários pertencem à quinta geração de uma família tradicionalmente ligada à produção de artigos em madeira, actualmente dedicada especialmente à produção de caixas de madeira para vinhos e produtos gourmet, além de utensílios de madeira para a cozinha e pequenas peças de mobiliário. É uma empresa preocupada com a sustentabilidade do meio ambiente, tendo o cuidado de apenas adquirir madeira proveniente de plantações sustentáveis, ou seja, plantações que garantem a substituição das árvores abatidas para a indústria.

Apresentação deliciosa de Jamie Oliver com uma das tábuas (imagem retirada da net)
Se ainda não estão convencidos com a qualidade dos produtos desta marca, perguntem ao Jamie Oliver (sim, aquele badalado chef de cozinha inglês) se os produtos são ou não são bons. Jamie popularizou a marca ao utilizar as tábuas portuguesas nos seus programas e hoje em dia até tem uma linha com a sua assinatura, toda produzida pela Gradirripas em Portugal.
E, tal como o Jamie, cá em casa também adoramos as tábuas de madeira, as colheres de pau e o tradicional rolo da massa (em madeira), mesmo que a moda (e a ASAE) tanto nos tentem fazer mudar de hábitos e materiais. A tradição deve ser mantida e cá em casa mantém-se :)



E para usar também eu nas minhas receitas, a Gradirripas enviou-me estas tábuas maravilhosas e alguns utensílios de cozinha. Estou ansiosa por começar a usar ...

Para conhecerem a marca e saber como adquirir estes e outros produtos, basta seguir este link.

terça-feira, 14 de março de 2017

Bolachas de laranja, chocolate e coco


Cá em casa somos muito gulosos mas isso vocês já sabem, não tivesse o blog o nome guloso e ser o reflexo da cozinha cá de casa. Por isso, quando existem desafios doces eu não lhes consigo resistir e desde que conheci o blog "anasbageri" e o seu desafio mensal "o nosso grande bake off" (que aconselho a espreitarem se ainda não conhecem), tenho mais um pretexto para adoçar os paladares cá de casa. E como o desafio deste mês era bolachas com cobertura, deixo aqui hoje umas bolachas de laranja com compota de kumquats (ou de laranja, por exemplo), chocolate e coco, uma delícia a que não se consegue resistir, garanto.
 


Ingredientes:
- 240g de farinha com fermento
- 70g de açúcar
- 140g de manteiga magra
- raspa de 1 laranja
- 1 a 2 colheres (sopa) de leite

Para decorar:
- chocolate negro derretido
- coco ralado
- compota de kumquats ou laranja (usei esta receita)

Para as bolachas, misture todos os ingredientes até obter uma mistura homogénea. Envolva em película aderente e leve ao frio pelo menos 1 hora. Forme bolinhas, coloque num tabuleiro forrado com papel vegetal e achate ligeiramente. Leve ao forno pré-aquecido a 180º até dourar e endurecer (depois de frias elas endurecem um pouco, por isso tenha cuidado com o tempo de cozedura).
Quando estiverem prontas, retire do forno, cubra com um pouco de compota (seja generoso) e deixe arrefecer sobre uma grelha. Para finalizar, cubra com o chocolate e polvilhe com coco ralado.


segunda-feira, 13 de março de 2017

Cubinhos de soja ao estilo asiático


Cá em casa a alimentação tende a ser o mais variada possível, temos pratos que fazem mal (felizmente poucos) e para contrabalançar, surgem os pratos mais saudáveis. Portanto, um equilíbrio de uma alimentação que tende a ser o menos evasiva possível para a nossa saúde. E, com isto, ando sempre há procura de alimentos e receitas novas para testar, surgindo assim a soja cá em casa.
Mas tenho de confessar que não é um produto que aprecie muito, em parte por não ter sabor (nada que não se resolva com uma mão de especiarias). Então, depois de ter experimentado a soja fina para lasanhas, bolonhesa e chili, resolvi testar a soja em nacos para outros pratos e foi assim que esta refeição apareceu na mesa cá de casa. O único conselho que deixo a quem experimentar é que não tenham medo de usar e abusar dos temperos porque são necessários para dar um sabor agradável à soja, tirando isso, ficou bastante saborosa e bem leve para mais uma meat free monday aqui no blog.

 

Ingredientes:
- soja granulada grossa
- molho teriyaki
- molho de soja
- mistura de legumes chineses
- alho picado
- azeite
- caldo de legumes
- amido de milho
- gengibre fresco

Prepare o caldo de legumes (eu dilui um cubo de caldo de legumes em água quente).
Coloque numa taça a soja e cubra com uma parte do caldo de legumes quente. Tempere com molho de soja e gengibre fresco ralado. Deixe descansar pelo menos 30 minutos (quanto mais tempo estiver, mais sabor irá absorver). Quando estiver bem demolhada, escorra levemente e corte a soja em pedaços mais pequenos, reserve.
Leve ao lume uma frigideira com um fio pequeno de azeite (muito pouco) e o alho picado. Deixe refogar até o alho largar o seu aroma e acrescente os legumes chineses. Deixe refogar cerca de 2 minutos, acrescente a soja e tempere com o molho de soja, o molho teriyaki e mais um pouco de gengibre ralado. Deixe cozinhar até que os legumes fiquem "al dente". Nessa altura, misture um pouco de amido de milho num pouco de caldo de legumes e junte ao preparado, mexa para envolver e engrossar. Rectifique os temperos se necessário e sirva de seguida, acompanhando com arroz. 


sexta-feira, 10 de março de 2017

Entrevista com ... Carla Ramalho, ou seja eu

Foi com enorme prazer que recebi o convite da Sara Graça, do blog Luz do candeeiro para dar uma entrevista. Fiquei muito feliz por ela se ter lembrado de mim e por isso agradeço pelo carinho e consideração :)

E para quem não conhece o blog, venham comigo espreitar e ler a minha entrevista, entre outros assuntos por lá falados, ok? 

A entrevista podem ler aqui ...


Luz do candeeiro

quinta-feira, 9 de março de 2017

Bacalhau à Braga ... ou bacalhau à Narcisa


Bacalhau é algo que cá em casa todos adoram. Uns pratos mais do que outros mas nenhum é indiferente e por isso andamos sempre atrás de receitas diferentes para experimentar. 
Segundo reza a história, este prato foi criado pelo restaurante Narcisa, em Braga e dado o seu enorme sucesso, foi copiado por imensos restaurantes da zona, tornando-se um dos pratos mais pedidos na região minhota. Por isso, hoje deixo esta sugestão que se faz muitas vezes cá em casa e embora não seja dos meus preferidos, neste caso sou uma minoria e lá faço o "sacrifício" de o comer.


Ingredientes:
- 4 lombos de bacalhau
- 3 cebolas em rodelas finas
- 4 dentes de alho 
- 1/2 pimento verde em tiras
- 1/2 pimento vermelho em tiras
- 2 folhas de louro
- 1 tomate maduro picado
- 1 colher (sopa) de vinagre
- 1 fio de azeite
- sal, pimenta e colorau qb
- farinha de trigo qb
- batatas fritas em rodelas para acompanhar

Comece por cozer o bacalhau durante 5 minutos. Escorra, seque com papel absorvente e passe-o por farinha de trigo. 
Leve ao lume uma frigideira com um fio de azeite, 2 alhos em rodelas e o louro e deixe alourar ligeiramente. Junte o bacalhau e frite. Retire o bacalhau e reserve. 
Retire o alho e o louro da frigideira e deite fora. Nessa mesma frigideira, coloque o restante alho picado, a cebola, os pimentos e o tomate. Tempere com sal, pimenta e colorau. Deixe refogar cerca de 5 minutos, acrescente o vinagre e rectifique os temperos se necessário. Deixe refogar mais um pouco até a cebola e o pimento cozinharem.
Sirva este preparado por cima do bacalhau e acompanhe com as batatas-fritas e uma salada verde.


quarta-feira, 8 de março de 2017

Leite-creme de arroz ... na Yammi ou no tacho


Se existe uma sobremesa que adoro é leite-creme mas confesso que raramente o faço. Um dia destes surgiu a vontade de comer um mas cá em casa havia quem quisesse arroz doce e para mim estava fora de questão fazer os dois, é tentação a mais para um ser-humano, não acham?
Por isso, fazem-se as vontades e "mata-se dois coelhos com uma cajadada só" ou como se diz, faz-se um dois em um e assim surgiu este creme diferente mas bastante saboroso que deixou satisfeitos todos os que o comeram (e não durou nem 24h, somos tão gulosos).



Ingredientes:
- 200g de arroz carolino ou outro com goma (uso sempre o de risotto)
- 400ml de água*
- 700ml a 750ml de leite magro  
- 100g de açúcar (pode aumentar se for guloso)
- 3 cascas de limão
- 1 pau de canela
- 6 gemas (usei ovos caseiros)
- 1 colher (chá) de aroma de baunilha**
- 1 e 1/2 colher (sopa) bem cheia de amido de milho
- canela em pó


Bata as gemas com um pouco do leite e reserve. Misture o amido de milho com o restante leite e reserve.
Coloque no copo da Yammi o arroz, a água, a casca de limão e o pau de canela. programe 16 minutos*, vel.1, temp. 100º. No final do tempo, retire o pau de canela e triture 50 segundos, passando da velocidade 4 até à 7. Acrescente a mistura de leite e amido, o açúcar e programe 25 minutos, vel.1, temperatura 90º. Quando faltarem 5 minutos para terminar, verta a mistura das gemas em fio e a baunilha. No fim do tempo, verifique a consistência e se necessário, acrescente mais uns minutos. Verta para uma travessa e polvilhe com canela.

Para quem não tem robot de cozinha:
Bata as gemas com um pouco do leite e reserve. Misture o amido de milho com o restante leite e reserve.
Coloque num tacho o arroz, a água, a casca de limão e o pau de canela. Deixe cozinhar até a água evaporar. Acrescente um pouco da mistura de leite e amido e triture bem. Acrescente então o restante leite, o açúcar e deixe cozinhar, mexendo de vez em quando. Quando estiver quase pronto verta a mistura das gemas em fio. Verta para uma travessa e polvilhe com canela.

Notas:
* a quantidade de água e tempo de cozedura do arroz varia muito consoante o tipo e marca do arroz. Pode ser necessário aumentar um pouco mais o tempo de cozedura.

** não usei a baunilha porque optei por usar farinha custard que consiste num amido de milho com sabor a baunilha. Esta farinha encontra-se à venda em qualquer supermercado, na secção de preparados para sobremesa, geralmente.


terça-feira, 7 de março de 2017

Brás de legumes e peixe ... uma receita diferente


Existem dias em que me apetece algo simples e rápido, de preferência mais saudável e saboroso, acima de tudo. A sugestão de hoje foi a resposta a um desses dias, tudo feito a olho consoante o gosto, e em que 20 minutos depois de ir para a cozinha, já estava na mesa a degustar. E, embora este não seja um à brás tradicional, soube-me mesmo bem e com vontade de repetir.


Ingredientes:
- pescada
- couve coração
- cenoura
- cebola
- alho
- louro
- azeite
. vinho branco
- batatas
- ovos
- salsa fresca picada
- sal e pimenta

Comece por cozer o peixe e as batatas num tacho com uma pitada de sal e uma folha de louro pequena. Depois de cozido, retire as espinhas ao peixe e lasque-o. Corte as batatas em cubos pequenos. Reserve.
Corte a cenoura, a cebola e a couve em juliana fina. Leve uma frigideira ao lume com um fio pequeno de azeite e alho picado. Quando o alho começar a estalar, junte os legumes, tempere de sal e pimenta e deixe cozinhar até os legumes amolecerem. Acrescente um pouco de vinho e tempere com sal e pimenta. Acrescente o peixe e as batatas. Quando os legumes estiverem cozinhados, retire do lume e acrescente os ovos batidos, envolva rapidamente e coloque novamente ao lume até os ovos cozinharem. Sirva de seguida, polvilhado com salsa picada.

Nota:
A batata é opcional, já fiz com e sem batata e em ambos os casos fica óptimo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...