quinta-feira, 30 de junho de 2016

Éclairs com cobertura crocante de amendoim


Gulosa assumida como eu sou, sabem que se é para fazer doces aqui estou eu de colher de pau numa mão e vara de arames na outra, pronta para o combate entre farinha, ovos e uns quantos mais intervenientes. Dizendo isto, quando vejo um desafio já não o consigo ignorar e para azar das cobaias cá de casa (ou sorte, quem sabe) tenho de o cumprir o mais rápido possível. 
Quando a Telma do blog Cozinha pra 3 lançou o desafio "vamos fazer éclairs", eu prontifiquei-me logo para ser mais uma no seu álbum de delícias mas o mais engraçado é que eu até nem ligo a estes bolinhos (ou melhor, não ligava). 
Profiteroles já são uma receita que faço algumas vezes mas éclairs nunca os tinha feito (embora se possa dizer que é o mesmo mas esticados). Sendo assim, deixo-vos aqui os meus deliciosos éclairs, que aconselho a duplicarem a receita para terem uma quantidade generosa já que eu apenas consegui comer um (e ainda por cima era o mais pequeno).


Receita levemente adaptada de "O grande livro de pastelaria", página 210. 

Massa (para 5 éclairs ):
- 150ml de água
- 60g de manteiga
- 100g de farinha (usei com fermento)
- 2 ovos
- 1 pitada de sal

Creme pasteleiro:
- 2 ovos
- 4 colheres (sopa) de açúcar
- 300ml de leite
- 2 colheres (sopa) de amido de milho
- 1/3 colher (chá) de aroma de baunilha

Cobertura de chocolate:
- 2 colheres (sopa) de manteiga
- 1 colher (sopa) de leite
- 1 colher (sopa) de cacau magro em pó
- 40g de açúcar em pó

Crocante de amendoim:
- amendoins qb
- 1 colher (chá) de manteiga
- 2 colheres (sopa) de açúcar


Comece por preparar o creme:
Aqueça o leite. Bata os ovos com o açúcar até obter um creme fofo, junte o amido de milho e bata mais um pouco. Misture aos poucos o leite no creme, mexendo sempre e depois leve novamente ao lume para engrossar, em lume médio/brando. Quando engrossar, retire do lume, misture a baunilha, tape a superfície do creme com película aderente e deixe arrefecer por completo.

Para a massa, pré-aqueça o forno a 200º.
Ferva a água com a manteiga, retire do lume e junte a farinha e o sal de uma só vez, mexendo bem até ficar bem misturada e se descolar do tacho. Deixe arrefecer um pouco e depois junte os ovos, um a um, batendo bem entre cada adição até obter um creme espesso. Coloque dentro de um saco de pasteleiro com uma abertura de cerca de 1cm (usei um saco plástico e cortei a ponta). Coloque a massa espaçada num tabuleiro forrado com papel vegetal e leve ao forno pré-aquecido a 200º, durante cerca de 30 a 35 minutos ou até crescerem e dourarem. Retire do forno, abra uma pequena fenda na lateral e deixe arrefecer por completo.

Para a cobertura:
Leve ao lume um tacho com a manteiga e o leite até aquecer. Retire do lume e junte o açúcar e o cacau, mexendo até obter um creme homogéneo.
Para fazer o crocante de amendoim, leve ao lume uma frigideira com a manteiga e o açúcar até derreter e começar a caramelizar, junte os amendoins descascados e envolva bem até obter um tom caramelizado. Transfira para um papel vegetal ou tapete de silicone, deixe solidificar e pique grosseiramente com uma faca.

Para montar, abra os éclairs no sentido longitudinal, recheie com o creme e cubra com o chocolate derretido. Polvilhe com os amendoins e leve ao frio. Sirva à temperatura ambiente ou frios.

Notas:
- como não tinha aroma de baunilha, substitui o amido de milho por farinha custard com sabor de baunilha. Resultado: ficaram deliciosos e com um creme bem amarelinho.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Bolo de chocolate e framboesas com cobertura ... um bolo mais saudável


Eu adoro fazer bolos e doces, é algo que me dá prazer e até descontraí (desde que esteja sozinha na cozinha). Por essa razão, quando existe a necessidade de ter um bolo na mesa, sou sempre eu que vou para a cozinha preparar e desta vez não foi excepção.
Sempre que alguém faz anos, a minha pergunta é sempre qual, ou melhor, quais os sabores que o aniversariante mais gosta ou deseja. E como desta vez a aniversariante era eu, a tarefa podia ter sido mais complicada porque tenho na cabeça uma série de conjugações para experimentar. No entanto, ando há meses com o chocolate e a framboesa na cabeça por isso estavam escolhidos os sabores. Também queria que o bolo fosse mais saudável que os habituais mas sem perder sabor, textura, nem utilizar produtos que desconhecia. 
Sendo assim, o bolo que vos deixo aqui hoje, o meu bolo simples de aniversário, é o resultado de várias ideias que tinha, não usando qualquer gordura e adicionando o mínimo de açúcares possível (apenas no bolo e na compota final). 
Resultado: um bolo delicioso, fofo e fresco, nada enjoativo e com uma combinação de sabores completamente deliciosa, um bolo que irei repetir de certeza porque fez sucesso e não houve ninguém que lhe pusesse defeitos, mesmo os mais gulosos :D




Bolo:
- 120g de açúcar amarelo
- 130g de farinha com fermento
- 40g de cacau magro em pó
- 1/2 colher (chá) de fermento em pó
- 4 colheres (sopa) de água quente
- 4 ovos

Calda para humedecer o bolo:
- 120ml de leite
- 1 saqueta de chá de hortelã

Mousse de chocolate:
- 200g de chocolate de culinária (52% de cacau)*
- 100ml de leite
- 4 claras
- 2 folhas de gelatina (opcional, pode não precisar)
- framboesas qb

Mousse de gelatina:
- 1 saqueta de gelatina de framboesa (usei light)
- 150ml de água
- 4 claras

Compota de framboesas:
- 300g de framboesas
- 4 a 5 colheres (sopa) de açúcar amarelo
- sumo de 1/2 limão pequeno

o que sobrou do bolo, quase não conseguia tirar foto :D
Comece por preparar o bolo.
Pré-aqueça o forno a 180º. Bata as claras em castelo até formarem picos e vá acrescentando o açúcar até obter um merengue. Sempre a bater, junte as gemas uma a uma, depois a água. Por fim, envolva delicadamente a farinha e o cacau. Verta para uma forma redonda (a minha era de 21cm) previamente untada e polvilhada e leve ao forno cerca de 30 minutos ou até o teste do palito sair seco. Desenforme e deixe arrefecer por completo.

Para a calda, aqueça o leite e junte-lhe a saqueta de chá até obter um leite bem perfumado. Reserve.

Para a mousse de chocolate, derreta no microondas o chocolate com o leite durante 1 minuto. mexa vigorosamente até obter um creme homogéneo e deixe arrefecer um pouco. Coloque as folhas de gelatina a demolhar em água fria, escorra-as e leve-as a derreter. Bata as claras em castelo e envolva-as no chocolate derretido, junte a gelatina e deixe solidificar um pouco.
Parta o bolo em três discos, coloque o primeiro disco num prato, humedeça com 1/3 da calda, barre com metade da mousse de chocolate, espalhe algumas framboesas, coloque a segunda camada de bolo, volte a humedecer com mais 1/3 da calda, espalhe a restante mousse e mais algumas framboesas. Cubra com o terceiro disco de bolo, humedeça com a restante calda e leve ao frigorífico para solidificar um pouco.

Entretanto, prepare a mousse de gelatina. Leve ao lume os 150ml de água e quando levantar fervura, desligue o lume e dissolva a gelatina de framboesa. deixe arrefecer por completo. Quando estiver fria, bata as claras em castelo e envolva-as delicadamente na gelatina. Cubra todo o bolo com este preparado e leve ao frio até solidificar por completo (cerca de 3 horas).

Para a compota, leve ao lume todos os ingredientes, deixando cozinhar até obter um creme espesso. Retire do lume, deixe arrefecer e finalize a cobertura do bolo. Mantenha no frio até à hora de servir. 

Notas:
* se usar chocolate com mais percentagem de cacau, acrescente açúcar senão irá ficar uma mousse muito amarga.
Se quiser um bolo mais simples para acompanhar o café, por exemplo, não junte a mousse de gelatina.


segunda-feira, 27 de junho de 2016

Coq au vin ... ou melhor, frango ao vinho


Frango, carne tão versátil como o bacalhau e que além de saborosa é bastante saudável (desde que lhe retiremos a pele, claro), sendo uma das carnes mais consumidas cá em casa e a minha preferida. Por isso, ando sempre à procura de novas formas de a confeccionar e desta vez a escolha recaiu sobre um prato clássico francês, mas feito de forma bem mais rápida mas não menos saborosa. 

Segundo a história, "coq au vin" é um prato que surgiu em Auvergne, no sul de França, por volta de 50 aC. Quando os gauleses foram cercados pelo exército romano, o seu líder enviou um galo de briga a Júlio César como símbolo da sua rendição. Em resposta a esse acto, foi convidado para jantar e o prato principal foi o coitado do galo cozido em vinho da região. 
A partir daí, este prato passou a ser confeccionado com galos velhos e marinado durante 24h em vinho, tendo como objectivo amaciar a carne. Actualmente tem sido comum o uso de frango e como é uma carne bem mais tenra, deixou de ser necessário tanto tempo a marinar, podendo mesmo saltar esse passo quando se está com pressa (como foi o meu caso). 


Ingredientes:
- 1 frango (cerca de 1,2kg)
- 1 cebola
- 2 dentes de alho
- 1 cenoura grande
- 200g de cogumelos frescos (não tinha e usei enlatados)
- 100g de bacon
- 1 cálice de aguardente velha (ou cognac tradicionalmente)
- 220ml caldo de galinha (feito com 1 cubo de caldo de galinha)
- vinho tinto de qualidade (usei cerca de 350ml)
- 1 colher (sopa) de amido de milho diluído num pouco de caldo
- 1 colher (sopa) de azeite
- 1 noz de margarina
- 2 folhas de louro
- 1 raminho de tomilho fresco (generoso)
- sal e pimenta qb

Pique os alhos, corte a cebola em meias luas finas e a cenoura em rodelas. Corte o bacon em fatias e o frango em pedaços pequenos (cerca de 8 a 10 pedaços).
Coloque a margarina e o azeite num tacho e frite o bacon. Retire-o para uma travessa e frite depois o frango nessa mesma gordura (apenas para selar de ambos os lados). Retire o frango e reserve junto do bacon.
Nesse mesmo tacho coloque a cebola, o alho e a cenoura. Deixe refogar até a cebola amolecer, junte o frango, o bacon, o louro, o tomilho e os cogumelos. Cubra com o caldo de galinha, a aguardente e o vinho. Tempere com pimenta e deixe cozinhar em lume brando, com o tacho tapado. 
A meio da cozedura, retifique os temperos, junte a maizena diluída num pouco do caldo e mexa. Se ainda tiver muito caldo, deixe o tacho destapado e vá mexendo de vez em quando.  
Sirva acompanhado com puré de batata e salada.

sábado, 25 de junho de 2016

Crepes com gelado de açafrão e canela, acompanhados com calda de frutos silvestres


O verão, embora incerto, já chegou e a vontade de comer gelados instalou-se completamente cá em casa. A receita que trago hoje é uma das que estavam na infinita lista de espera, à espera do bom tempo e quando o calor apareceu, lá estava o gelado para nos arrefecer!

E como já vem sendo hábito, adoro desafios e nunca lhes viro as costas. Por isso, quando o grupo do facebook Cantinho das Cozinheiras nos convidou para mais um desafio mensal, sugerindo um blogue para conhecermos e testarmos uma iguaria, fiquei muito contente porque tinha a oportunidade de testar uma receita que me andava a desafiar à algum tempo. O blogue escolhido este mês pelo grupo foi o blog Cromas na cozinha, da Ana e da Carla e a receita que escolhi foi o gelado de açafrão e canela, uma conjugação de sabores que adoro.  



Para o gelado:
- 4 gemas
- 200ml de natas
- 300ml de leite
- 100g de açúcar
- 3 paus de canela
- 2 colheres (café) de açafrão em pó

Leve ao lume um tacho com as natas, o leite, os paus de canela e o açafrão. Quando a mistura levantar fervura, retire do lume, descarte os paus de canela e reserve.
Bata as gemas com o açúcar até obter um creme fofo. Vá juntando aos poucos a mistura de natas aos ovos, mexendo sempre. Leve este preparado novamente a lume brando, mexendo sempre até começar a engrossar (não deixe ferver). Retire do lume e deixe arrefecer, depois leve ao frigorífico para ficar bem fresco. Ligue a máquina de fazer gelados e coloque lá a mistura durante cerca de 30 minutos ou até ficar com a consistência de gelado. Leve ao congelador, retirando do frio cerca de 10 a 15 minutos antes de servir.
Caso não tenha máquina de gelados, coloque o creme num recipiente que possa ir ao congelador e bata com uma vara de arames de hora a hora, até obter um gelado sem cristais de gelo.

Para os crepes:
- 300ml de leite
- 200ml de água
- 3 ovos
- 250g de farinha (uso com fermento)
- 1 pitada de sal fino

Misture todos os ingredientes muito bem com uma vara de arames ou a varinha mágica. Aqueça uma frigideira anti-aderente (levemente untada com óleo) e vá colocando uma concha de massa de cada vez, girando a frigideira para que os crepes fiquem o mais finos possível. Quando começarem a soltar as pontas, vire-os e cozinhe do outro lado. Repita a operação até acabar a massa.

Para a calda de frutos silvestres:
- 300g de frutos silvestres congelados
- 3 colheres (sopa) de açúcar amarelo
- umas gotas de sumo de limão

Leve ao lume todos os ingredientes até obter uma calda espessa. Retire do lume e deixe arrefecer.

Para servir, coloque uma porção de gelado no centro do crepe, polvilhe com canela em pó, enrole o crepe e coloque num prato. Verta a calda de frutos vermelhos por cima e se forem gulosos como nós cá em casa, coloque ainda mais um pouco de gelado por cima.

E agora vou-me embora que tenho um bolo de aniversário ali à minha espera para soprar as velinhas, ai que estou a ficar velha ...


sexta-feira, 24 de junho de 2016

Bolo de maçã com hortelã


Como já disse muitas vezes por cá, domingo que é domingo tem de ter bolo ao lanche. E a preferência cá de casa recai sempre pelos bolos simples, sem coberturas, que servem para o pequeno almoço e para o lanche. O bolo que deixo aqui hoje surgiu de improviso, depois de ter ligado o forno para um jantar de pizza e andar com muita vontade de comer bolo de maçã.
Confesso que quando penso em maçã, vem-me logo à mente a canela, as especiarias, o vinho do porto e a baunilha. São sabores que combinam sempre muito bem com a maçã. No entanto, desta vez queria algo diferente e a experiência podia fazer com que ficássemos sem bolo no fim de semana. Mas, por sorte talvez, o bolo ficou bastante agradável e a receita de improviso transformou-se num bolo denso, húmido, bastante saciante e muito aromático. A combinação de sabores agradou-me bastante e por isso deixo-vos aqui esta sugestão para experimentarem, quem sabe, no fim de semana :) 



Ingredientes:
- 3 ovos
- 3/4 chávena de leite
- 3 colheres (sopa) de folhas de hortelã secas*
- 1 chávena de açúcar amarelo (se for guloso coloque 1 e 1/2)
- 1/2 chávena de farinha de aveia (flocos triturados)
- 2 chávenas de farinha de trigo (uso com fermento)
- 1 colher (chá) de fermento em pó
- 3 maçãs
- canela e açúcar em pó para polvilhar

Aqueça o forno a 180º. 
Comece por aquecer o leite e junte as folhas de hortelã. Deixe em infusão cerca de 10 minutos. 
Bata os ovos com o açúcar até obter um creme fofo. Junte a aveia, o leite, a farinha e o fermento e bata mais um pouco. Verta esta mistura para uma forma (previamente untada e polvilhada), coloque por cima a maçã cortada em fatias e polvilhe com canela em pó. Leve ao forno até o bolo dourar e ao fazer o teste do palito, sair seco. Desenforme, deixe arrefecer e polvilhe com açúcar em pó.

* eu costumo secar as folhas de hortelã e assim tenho sempre prontas para o chá e não se estragam. Caso não tenha, pode usar 2 saquetas de chã de hortelã ou mesmo folhas de hortelã frescas.


quinta-feira, 23 de junho de 2016

Pão doce de Vila do Conde


Vila do Conde, cidade costeira, sossegada e bonita ... a minha cidade :)
Com várias iguarias de cá, existe uma que se destaca - o Pão Doce - um doce que está sempre presente na mesa da Páscoa mas que se comercializa durante todo o ano.
Durante muitos anos, os meus pais compravam esta iguaria sempre à mesma senhora, que fazia este pão como ninguém. No entanto, quando mudámos de casa, o facilitismo que existia outrora deixou de existir e então raramente o comíamos. Quando me aventurei pelo pão caseiro, ou melhor, quando comprei a minha MFP, a ideia de o reproduzir foi cada vez maior e testadas diversas receitas, cheguei à que considero uma delícia, com o sabor e cheirinho da dita, fofa e aromática, que desaparece rapidamente cá de casa. Embora a receita não seja nova no blog e tenha sido uma das primeiras que publiquei aqui, volto a deixar-vos então aqui este pãozinho cá da terra, um miminho vilacondense, esperando que virem fãs dele tanto quanto eu sou :)



Ingredientes:
- 250ml de leite (usei soro de leite que sobrou do requeijão caseiro)
- 10g de fermento de padeiro fresco
- 1 ovo
- 80g de açúcar (usei amarelo)
- 570g de farinha (tipo 65)
- 40g de margarina
- 1 colher (café) de açafrão em pó
- 1 colher (chá) de canela em pó
- 1 colher (chá) de sal

Comece por diluir o fermento num pouco de leite.
Coloque na cuba da MFP todos os ingredientes, começando pelos líquidos. Coloque no programa Amassar e Levedar (na minha máquina é o programa Massa). No fim do tempo, retire a massa e dê a forma de uma bola, depois dê um "murro" no centro e abra-o de forma a obter uma coroa. Deixe levedar mais 1 hora. Pincele com leite e leve ao forno pré-aquecido a 180º, até dourar e a massa cozer. Retire do forno, barre com manteiga toda a superfície e deixe arrefecer sobre uma grelha.
Sirva simples ou barrado com manteiga. Também fica óptimo como torradas, quando começa a ficar seco.

Caso não tenha máquina, dilua o fermento, misture todos os ingredientes e amasse até obter uma massa elástica e que se descole da tigela. Deixe levedar num local aquecido até duplicar ou triplicar o volume e depois continue os passos mencionados em cima.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Risotto de tomate e pimento com barrinhas de pescada e salada

Risottos são uma das minhas paixões e o de tomate andava debaixo de olho há imenso tempo. Desta vez não me escapou e assim surgiu uma refeição muito agradável e que me consolou o palato :)
Além disso, gostei bastante do resultado na Yammi e foi bem mais prático de se fazer ...


Ingredientes:
- arroz para risotto
- 4 colheres (sopa) de polpa de tomate
- 1/2 cebola picada
- 2 dentes de alho picados
- 1/3 de pimento vermelho
- 1 caldo de galinha
- azeite, sal e pimenta qb
- vinho branco qb
- queijo da ilha ralado qb


Método Yammi:
Aqueça um pouco de água (o suficiente para cozer o arroz) e dilua o caldo de galinha. Mantenha a água sempre quente.
Coloque no copo da Yammi a cebola, o alho e o pimento. Pique 10 segundos, na velocidade 5. Troque a lâmina para a de mistura e refogue este preparado num fio de azeite durante 3 minutos, velocidade 2, temperatura 100º. No fim do tempo, junte o arroz e o vinho, programe 1 minuto, velocidade 2, temperatura 100º.
De seguida junte a polpa de tomate e três medidas (do arroz) do caldo, programe 15 minutos, velocidade 2, temperatura 100º. Rectifique os temperos e envolva o queijo ralado (caso o arroz ainda não esteja no ponto, dê mais uns minutos e acrescente mais caldo). Deixe repousar 2 a 3 minutos e sirva de seguida, acompanhado com as barrinhas de pescada e uma salada verde.

Método Tradicional:
Aqueça um pouco de água (o suficiente para cozer o arroz) e dilua o caldo de galinha. Mantenha a água sempre quente.
Refogue num fio de azeite o pimento em cubos, a cebola e o alho picados. Quando a cebola amolecer, junte o arroz e deixe fritar um pouco. De seguida junte o vinho e deixe evaporar. Junte a polpa de tomate e um pouco do caldo, deixe cozinhar o arroz até a água evaporar quase toda, junte mais caldo e assim sucessivamente até o arroz estar cozido. Rectifique os temperos e envolva o queijo ralado. Deixe repousar 2 a 3 minutos e sirva de seguida, acompanhado com as barrinhas de pescada e uma salada verde.

Para as barrinhas de pescada, leve-as ao forno até dourarem de ambos os lados.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Salada de lentilha vermelha com polvo e pimento


Lentilhas é uma das leguminosas que conheci há pouco tempo mas que me convenceu logo desde a primeira garfada. Num destes dias, enquanto vagueava pelo corredor da área saudável do hipermercado, gostei bastante da cor de umas lentilhas, num tom vermelho alaranjado, e como os olhos também comem, lá trouxe uma embalagem comigo. Sem saber muito bem o que fazer, surgiu esta salada diferente, simples mas reconfortante para me aconchegar o estômago ao jantar. O único senão foi mesmo a cor das lentilhas se ter perdido :(

Ingredientes:
- lentilhas vermelhas
- polvo cozido 
- pimento vermelho 
- cebola 
- salsa fresca picada
- azeite e vinagre
- sal, pimenta, louro e colorau

Pique a cebola, corte o pimento em cubos pequenos e pique a salsa. tempere com azeite, vinagre e sal e reserve.
Lave muito bem as lentilhas em água corrente. Leve ao lume um tacho com água, sal, pimenta, colorau e louro. Quando levantar fervura, junte as lentilhas e deixe-as cozer (cerca de 10 a 15 minutos). Escorra e envolva no preparado de cebola. Coloque num prato de servir e espalhe o polvo por cima, cortado em pedaços pequenos. Polvilhe com um pouco mais de salsa e sirva.


sábado, 18 de junho de 2016

Bolo de queijo quark com calda de frutos silvestres


Eu adoro queijo, seja ele qual for e em sobremesas ficam sempre bem. O queijo quark (muito falado nos últimos tempos) tem sido um dos meus eleitos nos últimos tempos graças ao seu valor calórico baixo, sabor suave e um óptimo substituto das natas. perfeito em diversas sobremesas. Desta vez não foi excepção e assim surgiu este bolo fresco, perfeito para a sobremesa e se acompanhado com uma bola de gelado, ainda melhor ;)



Ingredientes:
- 500g de queijo quark
- 4 ovos
- 2 iogurtes naturais
- 2 colheres (sopa) de amido de milho
- 5 colheres (sopa) de açúcar amarelo
- raspa de meio limão

- 150g de bolacha torrada ou outra similar
- 50g de margarina derretida
- 2 colheres (sopa) de leite

- 250g de frutos silvestres
- 3 a 4 colheres (sopa) de açúcar amarelo
- umas gotas de sumo de limão


Comece por triturar a bolacha, junte o leite e a margarina. Envolva bem e forre o fundo de uma forma de aro, calcando bem. Leve ao forno cerca de 10 minutos.
Entretanto, prepare o recheio. Bata as gemas com o açúcar até obter um creme fofo, junte o queijo, os iogurtes, o amido de milho e a raspa de limão e bata. Por fim, bata as claras em castelo e envolva delicadamente. Verta sobre a base de bolacha e leve ao forno até a superfície dourar e ao espetar um palito, este sair quase seco (não deixe secar demais). Retire do forno, deixe arrefecer um pouco e desenforme. Deixe arrefecer e leve ao frigorífico até há hora de servir. 
Para a cobertura, leve ao lume os frutos silvestres, o açúcar e o sumo de limão. Acrescente um pouco de água (pouca) e deixe cozinhar cerca de 10 minutos até obter uma calda. Deixe arrefecer por completo e reserve no frio. Verta sobre a sobremesa na hora de servir e se quiser acompanhe com uma bola de gelado para tornar a sobremesa ainda melhor.

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Açorda de marisco


Açorda é algo que cá em casa todos gostam bastante. Além disso, são bem simples e rápidas de se fazer, por isso, perfeitas para o dia-a-dia onde a correria toma conta da nossa vida. Esta é uma das que mais gosto e como tal, a que mais faço. Espero que gostem tanto como nós ...

Açorda = papas de adulto :)


Ingredientes:
- pão de véspera (usei 6 carcaças)
- 1 caldo de marisco
- cerca de 20 camarões com casca (usei tamanho médio)
- miolo de ameijoa (uma mão bem cheia)
- 6 delícias do mar
- 3 dentes de alho picados
- azeite, sal, pimenta e louro
- 2 ovos
- salsa fresca picada

Comece por cozer o camarão em água e tempere com louro, sal e pimenta. Quando estiver cozido, descasque e reserve.
Corte o pão em pedaços pequenos e verta a água de cozer o camarão para o amolecer.
Leve ao lume um tacho com o alho picado, um fio de azeite e o miolo de ameijoa. Quando o alho começar a fritar (cuidado para não queimar), junte o caldo de marisco e o pão demolhado. Mexa muito bem para o desfazer e cozinhar. Junte depois as delícias do mar, o miolo de camarão e os ovos, mexendo vigorosamente. Rectifique os temperos e sirva, polvilhado com salsa picada.


quinta-feira, 16 de junho de 2016

Bolo de café e amêndoa


Bolos são uma das minhas paixões e nunca deixo de os fazer. Aliás, domingo que é domingo, tem de ter um bolo caseiro ao lanche. Quando vi esta receita no blog da Lia, foi amor à primeira vista e ficou logo marcado para fazer o mais breve possível. Com uma combinação de sabores que me intrigou, a curiosidade fez-me rapidamente pôr a receita em prática e, como prometido (a mim mesma) aqui está ele, bem saboroso, bastante leve e aromático, um pouco adaptado como já vem sendo hábito (desculpa Lia mas não consigo evitar). Um bolo que agradou a todos e que ficou tanto bonito como gostoso. 



Ingredientes:
- 70g de margarina
- 140g de açúcar amarelo
- 3 ovos L
- 150g de farinha com fermento
- 50g de amêndoa
- 4 colheres (sopa) de leite
- 2 colheres (sopa) de café em pó instantâneo diluído numa colher (sopa) de água a ferver

Bata a manteiga com o açúcar até obter um creme fofo. Junte os ovos, um a um, batendo bem entre cada adição. Adicione a farinha, o leite e o café, batendo bem até ficar bem misturado. Envolva as amêndoas. Verta para uma forma de buraco (untada e polvilhada) e leve ao forno pré-aquecido a 180º, durante 35 a 40 minutos. Desenforme e deixe arrefecer.


Para a cobertura:
- 80g de chocolate de culinária
- 3 colheres (sopa) de leite
- 1 colher (sopa) de café instantâneo
- amêndoas palitadas para decorar.

Leve ao lume uma frigideira anti-aderente e toste ligeiramente as amêndoas. Reserve.
Derreta o chocolate com o leite no microondas, até obter um creme homogéneo, mexendo vigorosamente. Verta o molho sobre o bolo e decore com a amêndoa.


quarta-feira, 15 de junho de 2016

Pão de aveia e sementes


Uma das coisas que me dá bastante prazer é fazer pão. Mas confesso que se não tivesse a MFP para fazer o trabalho árduo, não sei se faria pão tantas vezes assim. Mas com a sua ajuda, tenho experimentado novos sabores e conjugações e desta vez resolvi experimentar a aveia numa percentagem maior do que o costume e o resultado foi um pão cheio de fibra, saboroso mas algo denso, algo entre o pão e a broa. Um pão bem saciante perfeito para o pequeno almoço, barrado com manteiga, compota ou queijo.


Ingredientes:
- 360ml de água
- 12g de fermento de padeiro fresco
- 150g de flocos de aveia
- 350g de farinha de trigo
- 60g de sementes variadas levemente trituradas* (usei sésamo, linhaça e girassol)
- 1 colher (sopa) de azeite
- 1 colher (chá) de sal
- 1 colher (sopa) de açúcar)
- mistura de flocos de aveia e sementes para polvilhar

Dilua o fermento num pouco da água. Coloque todos os ingredientes na cuba da máquina de fazer pão (primeiro os líquidos e depois os secos), programa amassar e levedar. Molde o pão, pincele com água e polvilhe com uma mistura de sementes e aveia. Deixe levedar até duplicar o volume e depois leve ao forno, a 200º, até o pão cozer.

* costumo triturar um pouco as sementes (quebrá-las) porque o nosso organismo não consegue penetrar facilmente até ao seu interior e acaba por excluir grande parte dos nutrientes provenientes das sementes, Desta forma, facilita a sua absorção e nada se desperdiça.

terça-feira, 14 de junho de 2016

Cheesecake de goiabada


Cheesecakes, quem não gosta. 
Eu não gosto ... ADORO, e ando sempre a testar novos. Este confesso que já estava debaixo de olho à séculos mas a goiabada não me convencia (por não gostar). No entanto, depois do irmão provar um e ter gostado bastante, a ideia de o fazer voltou a estar bem presente e aproveitando a companhia dele surgiu esta deliciosa sobremesa (feita mais por ele do que por mim) e que servida bem fresca, fez as minhas delícias :)


Ingredientes:
- 200g de bolacha maria ou outra a gosto
- 80g de margarina derretida
- 2 colheres (sopa) de leite

- 4 ovos
- 400g de queijo creme (usei light)
- 4 colheres (sopa) de açúcar amarelo (pode aumentar a dose se for guloso)
- 6 folhas de gelatina

- 200g de goiabada
- 4 colheres (sopa) de água


Para a base: 
Triture a bolacha e envolva a margarina e o leite. Forre o fundo de uma forma de aro, calcando bem. Leve ao frio para endurecer e reserve.

Para o creme:
Coloque as folhas de gelatina de molho em água fria durante 5 minutos, escorra-as e leve a derreter no microondas cerca de 10 segundos.
Bata as gemas com o açúcar até obter um creme fofo, junte o queijo e continue a bater até obter um creme homogéneo. Bata as claras em castelo e envolva delicadamente ao preparado. Junte por fim a gelatina derretida e verta para a forma sobre a base de bolacha. Leve ao frio para solidificar.

Para a cobertura:
Leve ao lume a goiabada com a água e mexa até obter um creme, deixe arrefecer e cubra o cheesecake. Desenforme na hora de servir.


segunda-feira, 13 de junho de 2016

Os novos activia de sementes e cereais

Eu sou uma pessoa que adora experimentar novos produtos. E quando eles são rotulados de "melhores para a saúde", a vontade de os testar é ainda maior. Por outro lado, adoro iogurtes e como-os muito ao pequeno-almoço, ceia ou mesmo de sobremesa. Posso dizer que nunca faltam cá em casa e ando sempre a querer experimentar o que surge de novo no mercado. 

Por isso, quando vi estes novos da Danone, os Activia Sementes e Cereais, não descansei enquanto não os provei e o que posso dizer deles ... são uma delícia (embora pudessem ser um pouco menos doces para mim, mas eu também adoro iogurtes naturais por isso o meu grau de doçura deve ser diferente). Como já tinha por hábito juntar sementes e cereais no iogurte, assim é bem mais prático :)

Esta nova gama tem a cremosidade conhecida dos activia e todas as suas característica para melhorar a nossa saúde digestiva, mas com um extra crocante que vai fazer toda a diferença. Existem 3 variedades:
Para quem, como eu, adora iogurtes e gosta de sabores diferentes, tem de experimentar estes que além de saborosos, são bem mais nutritivos. Além disso, ao registarem-se no site deles, podem obter descontos nos vales. Para isso, basta acederem aqui.
E vocês já conheciam ? Gostam deles?


#activiasementesecereais
#youzzactivia

Crepes de legumes com salada ... para um almoço vegetariano


Começo da semana, para alguns feriado de Santo António e "ressaca" da noitada. Por essa razão, nada melhor que deixar aqui uma receita bem leve para o almoço (sim, porque estas festas populares são mesmo uma perdição para a gula).
Eu gosto de comer e costumo dizer que o único pecado capital que tenho é mesmo o da gula. Mas atenção, não sou uma devoradora, ok? A verdade é que uma boa refeição dá-me imenso prazer e por isso dou muito valor ao tempo passado sentada na mesa. Mas esse meu prazer também me tem vindo a levar para outros caminhos e a experimentar novas cozinhas, algo que adoro e a ideia de descobrir novos sabores deixa-me logo de sorriso nos lábios. Isto tudo para dizer que uma refeição não precisa de carne ou peixe para ser completa e saborosa (como algumas pessoas que eu cá conheço pensam) e estes crepes são a prova viva disso (provada e aprovada pelos mais cépticos).


Ingredientes para a massa dos crepes:
- 3 ovos
- 100g de farinha
- 250 ml de leite
- 1 pitada de sal

Misture todos os ingredientes até ficar uma mistura homogénea. Aqueça uma frigideira anti-aderente, unte com óleo (retirando o excesso com uma folha de papel de cozinha). Vá colocando uma concha de massa de cada vez, espalhando muito bem e cozinhando de ambos os lados até dourar. Reserve.

Ingredientes para o recheio:
- cenoura
- couve branca, lombarda ou coração
- alho francês
- cebola
- alho
- cogumelos
- pimento
- feijão mungo
- 1 cubo de caldo de galinha
- 1 colher (sopa) de amido de milho
- azeite, pimenta, gengibre e molho de soja
- mistura de farinha com água para colar os crepes

Pique o alho, corte a cebola em rodelas finas, os cogumelos em lâminas e os restantes ingredientes em juliana.
Aqueça um pouco de água e dilua o caldo de galinha e o amido de milho, mexendo bem. Reserve.
Num wok, aqueça um fiozinho de azeite e junte os legumes, deixando-os cozinhar no próprio líquido que vão largando. A meio da cozedura, junte a mistura de água que reservou e tempere com o molho de soja e as especiarias. Deixe cozinhar, mexendo de vez em quando, até os legumes estarem cozinhados. Deixe arrefecer.

Para finalizar, espalhe uma porção de legumes no centro do crepe, dobre as laterais, coloque nas pontas um pouco da mistura de farinha e água para colar e enrole. Quando estiverem todos prontos, frite-os em óleo quente ou leve ao forno até ficarem dourados e crocantes. Acompanhe com salada, arroz, batatas fritas, ... ou o que mais gostar.
Eu assei-os no forno e acompanhei com salada, uma refeição bem ligeira mas cheia de sabor :)

Notas:
- os legumes são à escolha de cada um, eu coloquei o que tinha em casa na hora;
- pode variar nas especiarias, usando as que mais gosta;
- podem ser congelados antes de os cozinhar e ter sempre à mão para aqueles dias em que não temos tempo para nada (foi o caso).


sexta-feira, 10 de junho de 2016

Bolo Fraisier


Para mim sol e calor são sinónimos de ... fruta fresca e se há fruta que se encaixa perfeitamente nessa categoria são os morangos. Por isso mesmo, quando vi a escolha para o 5º desafio do Sweet World, protagonizado pela Lia e pela Susana, já sabia que não poderia deixar de participar.

Mas confesso que tive as minhas dúvidas quanto a participar, não porque não gostasse da escolha (muito pelo contrário) mas porque nos últimos tempos não encontro morangos decentes e este bolo pede qualidade acima de tudo. No entanto, sou uma rapariga com sorte e numa das minha idas ao supermercado, encontrei umas caixinhas de morangos lindas e perfeitas, que logo trouxe para casa e avisei todos os que pela minha cozinha passam, que aqueles morangos já tinham dono (se assim não fosse, eles desapareciam sem reparar).
Tudo estava encaminhado para fazer o bolo no fim de semana mas menos de 24 horas depois de trazer os morangos comigo, o estado deles piorou rapidamente e era, naquele momento, um caso de vida ou morte e os coitados dos morangos precisavam urgentemente de uma intervenção. Armada em salvadora da pátria, lá fui pesquisar rapidamente uma receita (sim, já a devia ter mas esqueci-me) e deparei-me com uma receita da tão famosa Mary Berry, que de certeza era deliciosa (não fosse a senhora uma autêntica diva da pastelaria). 


O grande problema é que ao ler a receita, reparei que a confecção do bolo era algo diferente do que estava habituada e aquele não era o dia para testar uma receita com técnicas novas porque além de não estar virada para a cozinha (às vezes acontece-me), só teria uma chance para que o bolo saísse perfeito e, aqui entre nós, queria despachar a coisa o mais rápido possível. Sendo assim, desenrasquei-me com os meus conhecimentos e adaptei (muito) a receita escolhida (mas segui os passos todos, ok). 
Resultado, um bolo fantástico e aprovado por todos, embora tenha dado muito trabalho e tenha ouvido "ainda de volta do bolo, nunca mais está pronto?". Mas o trabalho compensou e adorei mais um desafio tentando, no entanto, torná-lo um pouco mais saudável mas bastante saboroso na mesma :)


Mas agora passemos ao que interessa. "Le fraisier" como é conhecido, é um bolo clássico francês , muito chique, composto por uma massa fofa tipo pão-de-ló, recheada com um creme de manteiga e morangos, coberta por uma rodela de massapão, açúcar em pó ou geleia. Actualmente existem muitas versões deste bolo e até já o fazem sem morango (mas deveriam mudar o nome, senão é algo esquisito).


Para o bolo:
- 120g de açúcar
- 140g de farinha
- 4 ovos
- raspa de 1 limão

Para a calda:
- 60g de açúcar
- 60ml de água
- sumo de 1 limão

Para o creme:
- 600ml de leite magro
- 4 ovos
- 100g de açúcar (pode aumentar até 150g, se for guloso)
- 2 colheres (sopa) de kirsch
- 40g de farinha custard
- 60g de amido de milho
- 100g de manteiga magra à temperatura ambiente
- 500g de morangos
- açúcar em pó qb


Comece por preparar o bolo. Aqueça o forno a 180º.
Bata as claras em castelo e quando estiverem quase batidas, junte gradualmente o açúcar, sempre a bater. Depois junte as gemas (uma a uma) e por fim envolva a raspa de limão e a farinha, delicadamente com uma espátula. Leve a cozer numa forma redonda até estar cozido (cerca de 20 a 30 minutos). Desenforme e deixe arrefecer por completo.

De seguida prepare a calda, levando todos os ingredientes ao lume até levantar fervura. Reserve.

Prepare então o creme. Aqueça o leite. Misture os ovos com o açúcar, a maizena e a custard. Verta o leite em fio, mexendo vigorosamente e leve ao lume, mexendo sempre até engrossar. Junte o licor, envolva bem, cubra toda a superfície com película aderente e reserve até arrefecer. Quando estiver frio, junte-lhe a manteiga e bata com a batedeira até obter um creme mais fofo.

Finalização:
Forre a forma em que cozeu o bolo com película aderente. Corte o bolo ao meio e coloque um dos discos dentro da forma. Regue com metade da calda. Corte uma parte dos morangos em fatias grossas (reserve alguns para decorar) e revista toda a lateral da forma. Espalhe 2/3 do creme por cima do disco de massa e depois espalhe os restantes morangos cortados em cubos. Por cima destes, coloque o restante creme e cubra com o segundo disco de massa. Regue com a restante calda e pressione um pouco a massa para garantir que está bem firme. Leve ao frio para solidificar um pouco. Na hora de servir, retire com cuidado o bolo da forma, polvilhe com açúcar em pó e decore com os morangos que reservou. Sirva bem fresco.

5º edição do desafio Sweet World, dos blogs Lemon & Vanilla e Basta Cheio - "Fraisier"

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Risotto de espinafres com morcela


Junho é mês de santos populares, do meu aniversário e como a Marta diz, também é mês de espinafres. E como espinafres nunca faltam cá em casa e estão presentes em muitos pratos, deixo aqui a minha contribuição para enriquecer um pouco mais a mesa da Marta, que vai estar cheia de iguarias deliciosas.

Os risottos são a minha perdição e por isso têm saído vários da minha cozinha nos últimos tempos. Ao contrário do que pensava, eles até são bem simples e rápidos de se fazer (apenas não nos podemos ausentar da cozinha, falo por experiência própria) e os meus preferidos acabam por ser aqueles simples, com um ou dois aromas predominantes, dos quais um tem de ser obrigatoriamente de legumes.
Este é apenas mais um, mas um que adorei e achei a conjugação de espinafre e morcela muito agradável. 


Ingredientes:
- 1 morcela
- espinafres qb
- arroz para risotto (ou carolino)
- 1/2 cebola picada
- 2 dentes de alho picados
- 1 caldo de galinha
- vinho branco qb
- azeite e pimenta qb
- queijo ralado qb
- cebolinho fresco (opcional)

Coza os espinafres em água até ficarem al dente, escorra-os e pique-os. Reserve.
Aqueça água e dilua o caldo de galinha, mantenha a água quente. 

Corte a morcela em rodelas grossas (reserve 2 a 3 rodelas) e frite-as numa frigideira anti-aderente (sem adicionar gordura) até ficarem alouradas de ambos os lados. Deixe escorrer a morcela sobre papel absorvente para ficarem bem sequinhas. Reserve

Leve ao lume um tacho com um fio de azeite, a cebola e os alhos picados e deixe refogar até a cebola amolecer. Junte o arroz, envolva bem e adicione o vinho. Deixe refogar cerca de 2 minutos e depois junte os espinafres e as 3 rodelas de morcela que tinha reservado inicialmente, cortadas em pequenos pedaços. Junte duas conchas de caldo e mexa. Consoante for sendo absorvida a água, vá acrescentando mais até o arroz estar cozido. Rectifique os temperos e quando estiver pronto, junte o queijo e envolva bem. Deixe repousar 2 minutos e sirva de seguida, com as rodelas de morcela frita e cebolinho picado. Acompanhe com uma salada verde.

Estes são os espinafres cá de casa, que se multiplicam de ano para ano sem ordem, qual praga, e nunca deixam de produzir tendo sempre espinafres frescos durante todo o ano - e nem imaginam o prazer que me dá colher o que é plantado por nós :)



Outros risottos idênticos que também poderá gostar:


quarta-feira, 8 de junho de 2016

Hambúrguer em bolo lêvedo ... e um desejo de fast food


Sabem aqueles dias em que se acorda com uma vontade enorme de fast food? Este foi um desses dias e até é estranho porque eu não gosto de comer nessas cadeias de restaurantes e só lá vou se não houver mesmo nenhuma outra solução (já nem me lembro da última vez que lá comi).
Mas como os desejos são algo que não se compreende, lá tive o meu e para resolver a situação surgiu esta minha versão de fast food caseira que adorei e voltarei a repetir várias vezes, de certeza. Um hambúrguer muito aromático, um pão que embora não seja o típico (foi o que tinha à mão) encaixou perfeitamente e para finalizar umas batatas fritas muito famosas na internet, que não sendo fritas, me surpreenderam muito ... e vocês, acompanham-me nesta versão de fast food?


Ingredientes:
- carne picada (usei de porco)
- cebola picada
- flocos de aveia
- sal, pimenta, colorau e cominhos
- ovo batido

- bolo lêvedo (receita aqui)
- alface
- tomate
- queijo fatiado
- ovo estrelado*
- batatas fritas light**

Misture a carne picada com um pouco de cebola e flocos de aveia, tempere com as especiarias (uma pitada apenas) e junte o ovo batido para ligar bem. Molde bolas e achate-as. leve a grelhar numa frigideira untada com azeite. 
Corte o pão ao meio, coloque a alface, o tomate, o hambúrguer, o queijo e o ovo. Sirva de seguida acompanhado com as batatas fritas.

* para o ovo estrelado, unte uma frigideira com óleo (retire o excesso com papel absorvente). Parta o ovo, tempere com sal e deixe fritar até a gema começar a passar um pouco do ponto, para que não escorra demasiado pelo pão.

** para as batatas fritas, corte as batatas em rodelas finas (usei a mandolina), coloque numa bacia com um pouco de sal para temperar e depois seque-as com um pano. Forre o prato do microondas com película aderente e espalhe as rodelas sem sobrepor. Leve ao microondas na potência máxima até começarem a alourar. Repita esta operação até estarem todas cozinhadas.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...